quinta-feira, 28 de outubro de 2010

VOTE NULO, E ENGRANDEÇA O EVANGELHO

Cataclismos pós 2012?

Muito se fala sobre a inversão dos pólos com a proximidade de um planeta chamado Níbiru. Ilhas desaparecendo, o avanço dos mares por sobre os continentes. Mas sabemos também que este quadro do planeta terra já nos era bem conhecido, pelo menos para aqueles para os que já leram atenciosamente o livro do Apocalipse e tentaram contextualizá-lo.

Eu, particularmente sempre tive a seguinte preocupação: é possível que neste exato momento estejamos passando por algum período prescrito pelas profecias apocalípticas, logo, podemos literalmente estar dentro do apocalipse (em algum momento dele; Mateus 24 que são as dores do parto, o início da retirada dos selos e até mesmo o arrebatamento) sem nem mesmo nos darmos conta. Ora, como poderemos nos guiar para não sermos pegos de surpresa? Sabemos que as escrituras nos servem como bússola, e que devemos lê-la e ao mesmo tempo prestarmos atenção no tempo, nos acontecimentos que estão á nossa volta.

Veja este vídeo sobre a construção de Bunkers subterrâneos e tire suas próprias conclusões:

Apocalipse 6;12..: “Vi quando o cordeiro rompeu o sexto selo. Sobreveio grande terremoto; o sol se tornou negro (o sol se apaga), a lua inteira tornou-se como sangue. As estrelas caíram do céu para a terra (meteoros). O céu foi se recolhendo como se enrola um pergaminho, e todos os montes e ilhas foram removidos de seus lugares (inversão dos pólos da terra, continentes trocam de lugar e até de hemisférios). Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam em cavernas e entre as rochas das montanhas (abrigos subterrâneos construídos por governos para abrigar a elite; comandantes: presidentes, governadores, chefes militares. Ricos: milionários, estrelas do cinema, jogadores de futebol... Poderosos: empresários, políticos e donos das maiores empresas multinacionais do mundo)”.

Madara.

Em brigas de maçom não se chama o garçom!



Srs. Silas malafaia e Edir macedo estão brigando de novo, e agora é por causa de seus senhores. Os capachos agora brigam por causa das eleições, onde cada um deles representa um candidato á presidência da república. De um lado Macedo com Dilma, e do outro Malafaia com Serra, porém há algo que nós sabemos bem o que é, e que fazem dessas duas raposas irmãos em uma só fé; alguém ai advinha? Exato! Maçonaria... Pois em brigas de maçom, não se chama o garçom.


È sabido para os estudiosos de sociedades secretas que, muitas guerras ao longo da história foram fabricadas pela briga das maçonarias Francesa e Inglesa. As grandes lojas de origem inglesa e os grandes orientes de origem francesa. Porém ao que parece ser, esta pequena picuinha acontece numa mesma designação, á ligada frequentemente aos protestantes; que á maçonaria inglesa. Logicamente que devemos pensar mais uma vez: que tem de conteúdo do evangelho nesta briga besta de Silas e Macedo? Que são estes dois trocando farpas, se não dois mercenários da fé e carniceiros, cada um com seu pedaço no mercado de almas, que á todo dia estão á venda por todo esse Brasilzão...


A INDÚSTRIA AGRADECE

Malafaia e Macedo são nada mais do que duas marcas da indústria espiritual Brasileira, e cada qual consome o que quer, até lixo, se preferirem...


A primeira marca destacada, é destinada mais ao consumo da classe média, que ostenta um pouco mais de conhecimento, ainda que seja coisa pouca, mas que gosta de ficar falando palavras rebuscadas e se utilizando de gírias teológicas para atrair as multidões com sua aparência de sabedoria.

Já a segunda marca possui um caráter mais popular, consegui maior aceitabilidade entre as classes mais baixas da população. Apela mais ao emocional, fazendo espetáculos públicos de exorcismos e conversas com demônios, além de todo o sincretismo com práticas das religiões afro.


AVISO

Não reproduza o mesmo sistema de escravidão que estes homens representam, não perca seu tempo abraçando A ou B, dizendo: Ah, eu prefiro o Silas... ou Que nada, sou mais o Edir macedo. Fazendo você estará compartilhando do mesmo pensamento anti-cristo que reina na igreja evangélica e estabelecendo um dos dois como seu “senhor”, assim como havia na história do escravismo brasileiro; onde os escravos tomavam partido de seus senhores de engenho. CRESÇA! Não faça essa insanidade, e o mais importante: não coloque a sua confiança em homens! Mas no Eterno.


Essas duas redes empresarias me fazem ter grande gastrite antes da hora, e quando começo á escrever logo me ocorre o aumento de flatulências intestinais; por isso encerro aqui minha crítica (isso realmente ocorreu quando estava escrevendo este artigo!)


ReligionIndustry

O mundo Gospel e Gadu realmente combinam, e não só pela letra “G” em suas iniciais, mas pelo primeiro ser uma invenção do segundo.


Madara.

ESTUPRADOS PELO DÍZIMO: CASOS REAIS DE ABULSO ESPIRITUAL


Um amontoado de cadáveres em decomposição se ajuntam ao lado de semelhantes montes de excrescência e urina... Este poderia ser um retrato concreto de qualquer aterro sanitário em uma cidade grande, ou de uma simples vala á céu aberto, mas obviamente não é; esta descrição retrata metaforicamente os rastros deixados pelo cristianismo ultra-pagão chamado de protestantismo, ou no caso brasileiro: religião evangélica.

É hilário observar (de longe) como são medíocres os religiosos evangélicos, encarcerados nas algemas da lei Mosaica, algemados em um círculo de exploração que lhes pesa a alma; porém insistentemente de outra forma é reclassificado na mente por eles mesmos; pois assim são educados por seus carniceiros “homens de Deus”, os tais “anjos da igreja”. Antes que me condenem, o título de “carniceiro” não foi dado por mim, mas pelo próprio YHWH, vide Miquéias 3; 3. È fácil diagnosticar a opressão proporcionada pelo fardo da antiga aliança: semblantes caídos, sorrisos artificiais, explosões de alegrias em espaços de tempo separados para dar a aparência de que estão vivos, o terno a gravata e o palitó para transparecerem uma formalidade nojenta que atrai uma certa respeitabilidade social, respostas dúbias e sem coerência com o espírito do evangelho, apego supremo e amor á tradição e subseqüente desprezo pelo que ensinou o messias e um típico fedor de cemitério quando sentamos com uma dessas pessoas para conversar.

Os sintomas clássicos são: cegueira, desânimos constantes, alegria parcial e reservada á momentos raros, hipocrisia elevada, prazer no que lhe é nocivo. Diagnóstico: o espírito dos antigos fariseus sobrevive inalterado.

CONDICIONAMENTO COMPORTAMENTAL
A subjetividade do indivíduo torna-se condicionada á pensar de acordo com a norma proposta pela religião, á qualificar e julgar de acordo com o sistema de pensamento criado sobre a tradição milenar de engano e que se arrasta pelos séculos. È aonde há a mudança do controle social para o controle internalizado. O controle social é aquele que vem de fora, de um objeto externo á todos os controlados (Ex: um líder, leis e regras de um código civil). Já o controle internalizado, como o próprio nome diz, é o controle que se localiza dentro do próprio individuo, em sua dimensão psicológica; quando o controle se confunde com a própria pessoa em si. Ele próprio, já dominado por toda malícia da doutrina luciferiana do dízimo, não mais necessita ser tutelado por alguém que o diga diariamente o que ocorre com quem não dizima e o que acontece com aqueles que pagam o tributo. Este é o processo de condicionamento psicológico ocorrido para que haja a manutenção do rebanho de zumbis que inundam as igrejas e fazem com que a profanação da pessoa do Senhor Jesus se perpetue década após década.

DA RENÚNICA
Devido á um longo período de suas vidas dedicado á religião católica (na maioria das vezes) há indivíduos que não se imaginam novamente como prováveis enganados; para estes é impossível conceber a idéia de que foram, e continuam sendo enganados nesta nova religião que para eles foi apresentada como “lugar onde reside a verdade”. O sintoma clássico é a negação absoluta. Preferem fazer de conta que não ouviram, que não viram e que não conversaram sobre nada á respeito; a ilusão religiosa é cômoda, ela dá a sensação de segurança, a mesma sensação que está ausente com quando somos perseguidos pelo que pregamos, como sentia a Igreja primitiva; de modo que a nossa segurança reside em uma outra esfera, ela está no andar pela fé.

Mas se por um lado os carniceiros são perversos e seduzem as multidões com suas palavras fingidas, nebulosas, cheias de malícia e de fermento; ocultando a verdade e manipulando a palavra de Deus (II Conríntios 2; 17), os animaizinhos de rebanho são o que chamamos de masoquistas espirituais, ou seja: aqueles que defendem sua própria condição de escravidão, que se auto conservam enquanto molestados.

Quando um desses religiosos evangélicos, semi-ateus abrem os olhos para tudo o que está á sua volta, e começam á perceber que foram, durante anos á fio, manipulados e explorados por seus senhores, caem estantanemaente num abismo de indecisão e inércia, confusos e com medo de tudo (inclusive das maldições que lhes foram ensinadas todo esse tempo para os que descumprem os dogmas da religião: dízimo, ofertas, freqüência nos cultos...), não são capazes de revolucionarem á si mesmos; de darem uma reviravolta e de forma bastante decidida negarem a religião e seus favores abraçando com toda as forças o evangelho (como uma atitude afirmativa da verdade e da vida).

A RADICALIDADE QUE O EVANGELHO REQUER
O nosso relacionamento com Deus é unilateral, a atitude requerida quando andamos com Jesus é profunda a radical, a pergunta do profeta ainda exige uma resposta: “Até quando coxeareis entre dois pensamentos?” (I Reis 18; 21). Ou semelhante á atitude de outro profeta quando disse: “Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24:15). Este paradigma expresso por Josué é dos mais atuais; nossos antepassados dedicaram suas vidas por inteiro para obedecerem á uma lei que lhes “fora ordenada por Deus”, gerações após gerações caminhando no erro, com a visão ofuscada pelo véu que foi rasgado por Jesus, mas que eles mesmos com a ajuda de seus líderes carniceiros recosturaram. O cumprimento da lei do dízimo é um sintoma de inimizade á aliança feita pelo filho de Deus; uma, duas, três cuspidas na cruz: se fôssemos contabilizar uma cuspida na cruz por cada década que esta maldição tem infectado o corpo de Cristo ficaríamos totalmente desidratos!

MAIORIA X MINORIA
Para mim, certa vez foi dito por um irmão em Cristo que o mundo inteiro prega essa doutrina diabólica do dízimo, que não há igreja nenhuma hoje em dia que não pregue isso e que até mesmo a igreja católica prega o dízimo, deixando subentendido que até os errados (católicos na mentalidade deles) fazem a coisa certa, que é praticar o dízimo. Bem... Gostaria de falar á todos que ainda pensam assim que estão mais do que equivocados, que o título de animais de rebanho lhes caem perfeitamente, pois são seres irracionais, que não possuem nenhuma medida de auto-análise do quanto são manipulados; para estes, fazer parte da maioria é um prazer inefável! Precisam estar juntos, aglomerados em algum clube, em alguma agremiação, amontoados sobre outros espantalhos iguais á eles. Em toda a história de relacionamento com a humanidade, Deus nunca contou com a maioria! Pelo contrário, se estudarmos bem a bíblia, veremos em muitos casos distintos o mesmo cenário se desenrolar: a maioria caminhando no erro, enquanto que os chamados de Deus sempre se limitam a extrema minoria. Então meu querido irmão que está lendo este pequeno artigo, lhe aconselho que mude hoje sua maneira de viver, suas perspectivas do mundo, sua visão em relação á Igreja, ao que é ser Igreja, ao que é servir á Deus etc. SEJA A MINORIA! Seja a resistência.

Para mim a resposta de toda essa imundície é bem evidente:
Nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que não nos ilumine a luz do evangelho da glória de Cristo. Maranata, vem Emanuel. Nós não temos, nem o poder e nem a permissão de extirpar os estupradores do nosso meio (retirar o joio do meio do trigo), somente nosso Senhor o fará, quando vier sobre as nuvens do céu e assim convocar os benditos de seu pai. Entretanto temos, não somente a permissão, mas a obrigação de nos manifestarmos quanto á tudo o que confronte o evangelho genuíno e dele tente se aproveitar. A verdadeira Igreja é aquela que se manifesta, que sai para fora, que fala, que defende, que abraça a causa de Jesus, que se expõe aos riscos por amor á verdade; que se expõe á má fama, aos olhares de preconceito, que não se importa em ser mal vista e odiada por onde andar, pois se assim ela estiver, estará cumprindo o que o próprio mestre disse acerca dela: “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”. (Mateus 5:11-12). Maranata, vem Emanuel.

Antes que seja tarde demais, precisamos crescer, abandonar a religião de uma vez por todas, e retornar ao caminho simples do evangelho que nos foi apresentado por Jesus.

Se você leu tudo o que aqui foi escrito, você é da resistência.

Madara.

Sou um herege, graças á Deus


"Heresia e ortodoxia são palavras criadas pelos ortodoxos. Mas, como já indicamos antes, ortodoxos são aqueles que tiveram o poder para impor as suas idéias. Heresia e ortodoxia têm muito pouco a ver com falsidade e verdade. São formas transversas de indicar perdedores e ganhadores. Ora, não se conhece nenhuma situação em que os ganhadores tivessem tido qualquer interesse em abrir mão do poder. O poder deseja sempre perpetuar-se. E esta perpetuação exige também a perpetuação das idéias que dão aos poderosos a sua aura divina. Vitória é interpretada como verdade, e a derrota é idêntica à falsidade.

A última palavra sobre a verdade revelada, portanto, não é a voz desta verdade, mas é a voz que, pelo seu poder político, é capaz de silenciar os dissidentes e declarar a questão como encerrada."

(Religião e repressão, Rubem Alves)

Haiti: um laboratório contra rebeliões em favelas do RJ



LABORATÓRIO CONTRA REBELIÕES NAS FAVELAS

A ONU gasta 500 milhões de dólares por ano para fazer do Haiti um teste de guerra. Ontem pela manhã estivemos no BRABATT, o principal Batalhão Brasileiro da Minustah (United Nations Stabilization Mission in Haiti). Quando questionado sobre o interesse militar brasileiro na ocupação haitiana, o coronel Bernardes não titubeou: o Haiti, sem dúvida, serve de laboratório (exatamente, laboratório) para os militares brasileiros conterem as rebeliões nas favelas cariocas. Infelizmente isto é o melhor que podemos fazer a este país.

Hoje, dia 13 de janeiro, o povo haitiano está se perguntando mais do que nunca: onde está a Minustah quando precisamos dela?

Posso responder a esta pergunta: a Minustah está removendo os escombros dos hotéis de luxo onde se hospedavam ricos hóspedes estrangeiros.

Longe de mim ser contra qualquer medida nesse sentido, mesmo porque, por sermos estrangeiros e brancos, também poderíamos necessitar de qualquer apoio que pudesse vir da Minustah.

A realidade, no entanto, já nos mostra o desfecho dessa tragédia – o povo haitiano será o último a ser atendido, e se possível. O que vimos pela cidade hoje e o que ouvimos dos haitianos é: estamos abandonados.

A polícia haitiana, frágil e pequena, já está cumprindo muito bem seu papel – resguardar supermercados destruídos de uma população pobre e faminta. Como de praxe, colocando a propriedade na frente da humanidade.

Me incomoda a ânsia por tragédias da mídia brasileira e internacional. Acho louvável a postura de nossa fotógrafa de não sair às ruas de Porto Príncipe para fotografar coisas destruídas e pessoas mortas. Acredito que nenhum de nós gostaria de compartilhar, um pouco que seja, o que passamos ontem.

Infelizmente precisamos de mais uma calamidade para notarmos a existência do Haiti. Para nós, que estamos aqui, a ligação com esse povo e esse país será agora ainda mais difícil de ser quebrada.

Espero que todos os que estão acompanhando o desenrolar desta tragédia também se atentem, antes tarde do que nunca, para este pequeno povo nesta pequena metade de ilha que deu a luz a uma criatividade, uma vontade de viver e uma luta tão invejáveis.
13/Janeiro/2010
[*] Investigador da Universidade de Campinas em missão no Haiti.

O original encontra-se em http://lacitadelle.wordpress.com/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

sábado, 23 de outubro de 2010

31 de Outubro é dia de se manifestar!

João 16;2 – “Eles vos expulsarão nas sinagogas...”


Um dos maiores nomes que podemos citar em dimensão nacional quando o assunto é maçonaria, sociedades secretas e ocultismo em relação á implantação de um governo mundial, é José Renato Pedroza.


Sua primeira aparição na TV se deu no canal Rit TV, onde ele oportunamente se vestiu de maçom, com as roupas utilizadas por eles; o manto e o capus. Desde então José Renato Pedroza tem sido um referencial no quesito Maçonaria e sua influência na igreja.

Porém sabemos que nem todos os que confessam o nome de Jesus possuem a mesma coragem e disposição de pagar o preço pelo que está se defendendo. E o exemplo lhe foi dado á sentir na carne. Igrejas que não querem a verdade, que sabem que vivem num sistema mentiroso e falso mas mesmo assim querem continuar se enganando. Pedroza foi impedido de palestrar nesta “igreja” que consta na matéria por, pelo caráter integro que tem, iria revelar nomes de pastores famosos e que pertencem á ordem maçônica.


Pedroza realizou a palestra na rua, ou melhor, na calçada de uma rua, e ali anunciou o que Deus lhe havia dado para anunciar. Distribuiu DVDs e pode assim falar livremente sem a perseguição não declarada promovida pelas igrejas institucionais.


De fato, o templo já não nos suporta! O sistema mafioso que muitos chamam de igreja não suporta mais ouvir o evangelho: (II Timóteo 4:3) - Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências”. E com isso provamos com a nossa carne o que é padecer por Cristo.

O blog A ultima hora se sensibiliza com a luta dos pequeninos e dos remanescentes simplesmente porque somos um. Queremos tanto parabenizar quanto dizer para o irmão Pedroza que nesta luta somos um; a tua tristeza e a nossa tristeza; e a tua alegria é a nossa. Força mano!

As fotos da palestra sendo realizada na rua:


Fonte da matéria completa: Que verdade é essa?