segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

OVELHAS SEM PASTOR?

O Brasil está em pleno processo de avivamento neste exato momento, entretanto, para as mentes de lento raciocínio que por ventura estejam lendo este artigo, não me refiro á toda histeria que beiram as possessões demoníacas vistas nas “igrejas” pentecostais; mas me refiro ao único avivamento possível e existente: o do espírito humano. Enquanto milhares de vidas seguem na ignorância, pensado servirem ao Deus criador do universo, por simplesmente executarem tarefas delegadas á elas por homens dentro de casas de barro (os prédios das instituições religiosas), o espírito do Eterno não fica parado, ele se move á todo instante á comover os sensíveis de coração á olharem por de trás das paredes e enxergarem as verdades ocultas e ocultadas. Não são todos, é claro! Que ultrapassam a média e conseguem enxergar o quão o evangelho de Jesus foi difamado, distorcido, mal interpretado e principalmente: falsificado.

O messias não saiu de seu trono de glória, de sua posição de rei do universo para vir ao planeta terra, sofrer absurdamente e depois morrer e ressuscitar para nos dar uma obrigação: Irás todos os domingos á minha “igreja”, darás as minhas “ofertas”, e obedecerás cega e eternamente ao “anjo” que eu institui para ti na minha casa; NÃO!


É preciso antes, salientar que o termo: ovelhas sem pastor, muito utilizado pelos pastores como uma arma para barrar o despertamento da consciência dos crentes, é á priori uma astuta cilada efetuada através da linguagem, para nos condicionar á crer em algo que está subentendido quando se pronuncia. Há uma mensagem subliminar contida nesta frase, e ela é: toda ovelha só pode existir se em paralelo existir um pastor (humano) para ela. Através dessa mensagem subliminar empregada, há também o uso da confusão de conceitos, pois não são esclarecidos que espécie de pastor está se referindo, sendo mais comum o uso no sentido do sacerdote da religião; ou, o pastor terreno.


NÂO CONFUNDA AS PESSOAS

Entretanto, há aqueles que estão em muitas igrejas por ai à fora, chamados de pregadores itinerantes, que não dispondo da mesma energia e paixão que nós, se dizem não necessitar de serem “pastoreados” (a aparência), porém são colaboradores ativos do sistema escravista promovido pelas instituições religiosas onde atuam como: cantores, apóstolos, bispos, pastores, missionários, pregadores itinerantes, profetas, anjos (a essência)... É preciso que, os que tem a mente de Cristo saibam diferenciar o pó da poeira! Estes indivíduos são contraditórios por este mesmo motivo, pois em um momento inicial reconhecem uma verdade do evangelho de Jesus que foi de nos ter libertado das mãos dos sacerdotes (através do sacrifício de Jesus o sacerdote judeu ficou desempregado; eis o motivo de tanta raiva para com Jesus e seus discípulos), fazendo de cada ser humano vivo que deposita sua fé no messias seu próprio sacerdote, porém em um segundo momento se dão á querer reconhecimento das mesmas instituições religiosas interagindo nelas, e por vezes até sendo pagos por elas. Minha conclusão sobre tais pessoas é dupla: ou não entenderam nada do evangelho, por isso demonstram tal indecisão, ou são lobos enganadores conscientes de sua situação, pois se utilizam do status de “livres”, para na verdade angariar glória para si através dos aplausos e aleluias que recebem nos cultos aonde participam.

Sinceramente, na verdade tenho pena de ver, uma enorme quantidade de pessoas apresentando os mesmos sintomas: os cristãos não somente estão doentes, mas foram contaminados de maneira proposital, e esta crise nos valores chama-se em especial pelo nome de apostasia. A confusão de conceitos e idéias é o primeiro ponto usado por quem engana e quer enganar. Usam as mesmas palavras, porém com sentidos totalmente diferentes dos sentidos originais prescritos nas escrituras: a palavra igreja, é usada para se referir á INSTITUIÇÂO RELIGIOSA, prédio, TEMPLO, porém quando lhes agradam a utilizam com o sentido correto: pessoas, o nosso próprio corpo físico, consciências individuais!!!! Quem está correto no uso? Jesus ou o a igreja? Tendo em vista que a graça não possui referências físicas de orientação espacial para o exercício da fé: (João 4:20-23) – “Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem”. A mulher samaritana apresentou na conversa com Jesus o mesmo espírito inferior, infantilizado e escravo da religião que ele veio abolir, os termos por ela usados remetem muito bem esta idéia: “NESTE MONTE... E vós dizeis que é em Jerusalém o LUGAR onde adorareis ao pai”. Aparece em seu discurso as categorias de espaço; monte e Jerusalém, dois eram espaços considerados corretos para a adoração, porém ambos rejeitados por Jesus, pois o que ele estava para realizar seria de tal forma grandioso e revolucionário que destruiria toda concepção espacial de adoração: uma verdade sem contestação: a graça verdadeira realizada por Jesus (e não a falsificada pela igreja pós-Constantino) não possui templo, espaço físico de localização, e com isso ela gera inevitavelmente uma liberdade apavorante, um tanto niilista, porque tira do homem a referência física de localização; logo o seu intelecto já não mais classificará as coisas e o mundo do mesmo modo que o homem natural (religioso): é esta a liberdade inquietante que o evangelho genuíno promove. Você conseguiria suportar essa “tortura”?


O CONCIETO DE AUTORIDADE ESPIRITUAL É ANTICRISTO

Não existe autoridade espiritual humana, que se fundamenta na verdade baseada em Jesus Cristo o filho de Deus. E sabe porque? Vou provar aqui:


1 – Jesus, em sua missão aqui não instituiu uma casta superior de homem (a autoridade), pelo contrário: ele aboliu a estrutura existente no primeiro pacto, se fazendo sumo-sacerdote e mediador de uma nova aliança (Hebreus 9; 15) e promovendo-nos ao status de sacerdote!


2 – Que é autoridade? Poder atribuído a alguém; domínio. No evangelho, reconhece-se as autoridades seculares (á menos que suas leis transgridem o que Jesus nos manda fazer), mas não existe, de alfa á ômega, do início ao fim qualquer respaldo para a existência de autoridades (humanas) para o mundo espiritual; isto é de fato anular o novo pacto feito pelo cordeiro e restaurar o que havia antes dele; o primeiro pacto.


3 – O conceito de autoridade espiritual é na verdade o antigo sacerdócio levítico (camuflado), existente na primeira aliança. Pois a igreja protestante (evangélica), é a continuação do paganismo iniciado com a igreja de Constantino, e conservou em si todos os valores herdados de sua mão meretriz (Católica), como a autoridade espiritual, o templo e os cultos; todos criados pelas elites políticas de Roma em adoração ao seu verdadeiro deus; o sol Invictus, Mitra.


A igreja institucional roubou os títulos, a nomenclaturas das personalidades que estão descritas nas páginas das escrituras e ás pôs em corpos de indivíduos que representam totalmente o inverso do conteúdo original daquelas. O termo pastor foi extraviado, o termo presbítero também, e colocados em cargos político/administrativos que na verdade representam a ressurreição do sacerdócio antigo, contrariando virilmente o espírito do novo pacto mas se utilizando dos mesmos nomes.


Repetição dos padrões

A estrutura de autoridades eclesiásticas do protestantismo segue a origem pagã das sociedades secretas e escolas de mistérios antigas, e claro, da antiga aliança que tem como base os valores antigos nelas existentes; ela possui a forma da pirâmide, com a constituição de castas: a base larga ocupada pelo povo comum, a massa; com a ponta da pirâmide representando a mais alta hierarquia nos valores (na antiga representada pelo sumo-sacerdote), e com a interseção entre as duas anteriores, estabelecendo o domínio completo da casta inferior por meio da dominação/subserviência e da dependência ás custas da mediação (representada pelo sacerdote, da tribo de Levi).

Não temos autoridades espirituais, simplesmente porque o Senhor Jesus ás destituiu de seus cargos quando em sua morte na cruz triunfou sobre os céus e a terra, fazendo-se mediador e constituindo á cada um de nós sacerdotes para o Deus pai (Apocalipse 5; 10). E porque a ressurreição delas dentro do grupo social dos seguidores de Jesus (Igreja) se deu pela infecção do deus sol, de Constantino e Flávio Teodósio. É SÓ ESTUDAR HISTÓRIA!

O QUE É INSANIDADE???

1 – Exaurir-se de toda sua capacidade de domínio, outorgar á outra pessoa (semelhante á você) o poder á você conferido, abrindo mão de sua liberdade de pensamento, de ação, de sua liberdade de existência: de sua autonomia.

2 – Compactuar com um sistema mentiroso, fraudulento e cancerígeno chamado erroneamente de igreja; que profana a obra de Jesus por meio de seus sacerdotes, liturgias e ensinamentos criados por homens e perpetuados pela tradição.

3 - (Isaías 5:20) – “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!” Classificar os que pregam a verdade como mentirosos e hereges e sustentar o império da mentira e do erro.

4 - (I Corintios 7; 23) “Alguém pagou alto pelo nosso resgate; não vos torneis escravos dos homens”, insanidade é voluntariamente se tornar escravo de homens (autoridades eclesiásticas), é ser sado-masoquista!

5 – Insanidade é ser cego e conscientemente querer continuar cego, venerar a ignorância, ter uma interpretação nobre sobre sua situação de animal de rebanho.

UMA MENTIRA BEM CONTADA SE TORNA UMA VERDADE...

A maioria continua caminhando para o abismo e acreditando no que a tradição diz; de que temos que ter uma autoridade espiritual, de que temos que ter uma igreja pra ir nos domingos e tudo o que contrarie isso é de procedência do maligno. Não importam as ofensas e acusações, nós não somos a maioria, fomos feitos de fato para ser a minoria. SEJA A MINORIA, com amor em Jesus.

Mr. Madara...


SKULL & BONES (caveira e ossos)



Resposta ao blog Genizah (dízimo)

Não é de hoje que denunciamos as alianças subterrâneas existentes na maioria dos casos dos defensores da doutrina diabólica do dízimo com ocultismo e a nova era, quer seja na maçonaria, como no caso do caído Silas malafaia ou dos ideais da nova ordem mundial, no caso de igrejas comprometidas com organismos da ONU e seus valores de unificação religiosa. E (não) surpreendentemente, visitei esta semana por acaso o blog de um tal bispo chamado Hermes, que nunca tinha ouvido falar, porém já o havia visto citado no blog ApocalipseTotal como sendo o líder da igreja Reinista, bem... Não foi surpresa o indivíduo cujo símbolo da igreja á qual ele lidera é nada mais que a águia bicéfala, utilizada não só na maçonaria mas em todos os ramos do ocultismo, ser um ávido defensor do dízimo. Rsrsrs, Para mim não há coincidência nenhuma! Veja o símbolo da igreja abaixo:
E o símbolo do supremo conselho da maçonaria do Brasil:
E olha só, até o grande Albert Pike, fundador da maçonaria moderna nos EUA aprecia a águia de duas cabeças (colar no pescoço):A igreja reinista possui ligação com o ocultismo (logo defende o dízimo com unhas e dentes??)

O link para verem a postagem sobre o dízimo é este: O Dízimo já era..., mas não vou ficar só nas palavras, vou responder á heresia do blog Genizah; agora agüenta:

O dízimo já era; o título do post deixa à entender que o autor crê que o dízimo chegou ao seu fim, porém quando se lê a postagem se compreende que isso foi apenas utilizado como ironia, pois para ele o dízimo é uma fato válido pois ele já era antes da lei, estava antes da lei de Moisés. Rsrsrsr, vamos lá.

Abraão, Melquisedeque e o dízimo
No livro de Gênesis (cap.14) nos conta que quatro reis se levantaram contra cinco outros reis, dentre estes estavam os reis de Sodoma e Gomorra que no meio da peleja fugiram e por isso lhes foram tomados todos os bens destas cidades. Dentre tudo o que tomaram, levaram cativo Ló, sobrinho de Abraão. Este logo quando ficou sabendo levantou-se, e com mais trezentos e dezoitos homens perseguiu os reis que aprisionaram seu sobrinho ferindo-os e trazendo-o de volta com todos seus bens recuperados.

Após toda a peleja veio então á Abraão, Melquisedeque, rei de Salém e também sacerdote do Deus altíssimo, trazendo pão e vinho. Este abençoou Abraão e o fez conhecer que bendito também era o Senhor, pois este entregou os inimigos nas mãos dele dando-lhe a vitória. Com isso Abraão de forma voluntária e não por obrigação ou sequer lei alguma, deu-lhe a décima parte do que conquistara (despojos da guerra, vide Hebreus 7; 4).

Observações:
a) O primeiro ato de oferta se é percebido da parte de Melquisedeque ao trazer pão e vinho de forma gentil á Abraão. Quebrando todo o conceito tradicional do dizimador, que vai do inferior ao superior (Gn 14.18).

b) O ato de Abraão de ofertar a décima parte de tudo a Melquisedeque não tem nenhuma relação direta com a doutrina do dízimo defendida pela igreja, pois esta de fato está alicerçada na lei de Moisés; o caso de Melquisedeque é usado apenas como mais uma base ideológica. Abraão ofertou-lhe voluntariamente como uma ação de graças. Neste episódio não houve ordenança ou mandamento algum da parte do sacerdote Melquisedeque.

c) As escrituras mencionam o ato dizimal de Abraão uma única vez! A igreja ensina o dízimo como tributo mensal do salário, ou seja; da renda financeira.

d) O dízimo de Abraão foi de Despojos (Hebreus 7; 4), ou seja: de tudo o que se tira de alguém ou de algum país com o uso da força ou da violência (dicionário). E não do fruto do seu trabalho.

d) Alguns estudiosos teológicos comparam Melquisedeque á Jesus Cristo dizendo que assim o dízimo foi instituído pelo próprio Jesus. Vemos que isto é totalmente falso quando percebemos que primeiramente nada foi instituído pela parte de Melquisedeque, como nos mostra o texto em questão. Tudo isto não passa de uma estratégia enganosa para dizer que o dízimo é validado pela nova aliança feita por Jesus. E o principal conceito que estes lobos não conseguem derrubar é de que o dízimo verdadeiro e bíblico é agrário, ou seja; de alimentos, pois foi instituído para a subsistência do antigo Israel.

Estes homens usam como base, o que se encontra em Hebreus 7; 3 que diz: “Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre.”. O que nada tem á ver, pois ser semelhante não é “ser o mesmo”. A semelhança entre Cristo e Melquisedeque é que ambos eram, foram e para sempre serão sacerdotes. O que estes homens fazem na verdade é acrescentar inverdades que não estão contidas nas escrituras; não podemos acrescentar idéias ou conceitos quando não estão contidas nas escrituras sagradas; isto é tendenciosamente querer por letras aonde não tem á fim de que se satisfaça interesses particulares, muitas vezes políticos e até econômicos.
Desse modo, o fato ocorrido em Gênesis com Melquisedeque e Abraão foi um evento particular e único, com significados também particulares, e não pode servir como doutrina para a Igreja que está alicerçada em Cristo e em sua aliança.

2. 2 Jacó e o dízimo
Ainda no livro de Gênesis o dízimo é mais uma vez mencionado (Gn28:20-22) só que agora está ligado a história de Jacó. Esta passagem relata uma revelação divina onde Deus fala a Jacó por meio de um sonho que seria com ele onde quer que ele fosse e faria da sua geração bendita, como também por meio dela todas as famílias da terra.Despertando então, Jacó reconhece a soberania de Deus e faz assim um voto com Senhor:” E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir; E eu em paz tornar à casa de meu pai, o Senhor me será por Deus; E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo.”(Gn28:20-22)

Observações
Podemos notar claramente nesta passagem a presença da conjunção SE, indicando o elemento de condição, ou seja; Jacó somente cumpriria a sua parte (“...o Senhor me será por Deus... e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo.”) se Deus cumprisse a dele (“...Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir; e eu em paz tornar à casa de meu pai...”) desta forma barganhando com Deus; uma atitude que nós Cristãos não devemos imitar. Ao contrário disto devemos observar o que é dito em Habacuque (3:17-18) “Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação.

A parição do dízimo mais uma vez no período anterior á lei de Moisés com Jacó, marca claramente a presença de um conceito existente em todas as religiões arcaicas antigas (Mesopotâmia, Egito, Pérsia, Grécia, Assírios, Fenícios, Sumérios...) que é o conceito da oferenda. Devemos lembrar que Deus, tanto no período anterior á primeira aliança quanto durante ela, comportava-se de maneira totalmente distinta da qual vemos registrada na nova aliança. Deus aceitava sacrifícios, oferendas, incensos eram queimados á ele, eram feitas festas (da lua nova, da colheita, etc), conceitos presentes em muitas outras religiões. De modo que o ato do dízimo nestes períodos arcaicos deve ser interpretado ocasiões de oferendas, presentes em um período da humanidade na qual Deus assim tratava com o homem.

CONCLUSÃO
Não importa se o dízimo estava antes da lei, ele só apareceu nesses períodos como ações isoladas e particulares de indivíduos que agiram segundo sua própria vontade, ou seja; não houve em momento nenhum ordenação da parte de Deus para que o dizimo fosse praticado (Abraão e Jacó). Entretanto ele ficou confirmado como um mandamento somente na lei de Moisés, o que para mim não necessita de muitos textos para explicar o assunto, mas somente um:

E abolindo em sua carne a lei com seus mandamentos...”
(Efésios 2;15)




Nada mais à declarar.

Mr. Madara

Dízimo não é dineiro!

(Deuteronômio 14:22) – “Certamente darás os dízimos de todo o fruto da tua semente, que cada ano se recolher do campo”.

Dízimo nunca foi dinheiro, 10% do teu salário! Dízimo bíblico é alimentos! É cenoura, batata, feijão, arroz, maçã, banana... Isso é dízimo bíblico!

Leitor, até quanto você vai se submeter á um sistema maligno de profanação da aliança feita por Jesus? Se queres ser dizimista e obedecer o que está na lei, obedeça corretamente! E siga toda a lei! (Gálatas 5;3). Não dá para misturar as alianças, ou é uma ou é outra, porém a primeira já está anulada e já desapareceu (Hebreus 8; 13) Mas eu tenho uma boa notícia para você: você não tem nenhum motivo para obedecer a lei: (Romanos 6:14) - Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça”.

Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê”...

(Romanos 10;4)

E abolindo em sua carne a lei com seus mandamentos...

(Efésios 2;15)

Alguma dúvida?

tomada de consciência

"Enquanto não tomarem consciência não se revoltarão, e enquanto não se revoltarem não poderão tomar consciência".

George Orwell, in “1984”

Coisas que nunca cntaram à você (CLIQUE NA IMAGEM)




Este post foi retirado do blog Verdades Especiais, que está fora do ar ou foi excluído. brigado.

Selos maçônicos















quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Silas Malafaia: o Natal do espertalhão


Chegou o Natal. Para Silas Malafaia trata-se de uma festividade Sagrada. O Matusalém das Assembléias de Deus afirma a sociedade cristã: esta é um festa para ser celebrado por todo cristão. Como apologista da “teologia da prosperidade” e “empresário evangélico” não poderia pensar diferente. O mercado-cristão, nesta época do ano, aquece muito a cabeça dos mercadantes e trás solidariedades para os “cofres milionários” destes apogeus da corrupção-espiritual. O sistema mercantilista, canalizado por Silas e pela maioria dos liberais, não seria beneficiado pelo rompimento(libertação de tradições). Precisa muito do faturamento(Expo Cristã) para manter o nível de vida leva, para isso, ele pede aos incautos para tomarem cuidado com o “besterol” de uma meia-dúzia que anda pregando contra o “Natal” e pede ao público de seu programa “Vitória em Cristo”: vai ler a bíblia. Em um só texto, Silas fundamenta sua tese: os pastores(povo) celebraram, os anjos(céu) celebraram, as estrelas(astros) celebraram , os magos(elite) celebraram. Diríamos ao ilustre da farra da fé: Por quê Jesus e a Igreja não o celebrou e não registrou? Por uma questão de épocas divididas? Asneiras e bobagens, proferidas, não podem ser transformadas em verdades-bíblicas.

A Luz da Bíblia sagrada: o Natal
_________________________

1 – Não há registros nas sagradas escrituras de que alguém tenha comemorado esta data festiva nos primeiros séculos da Igreja cristã. Não existe se quer uma palavra bíblica que forneça elementos para uma confirmação de que foi realizado um grande banquete em comemoração ao aniversario de Jesus Cristo. Muito mais ainda teríamos uma data expressiva para sabermos quando ele nasceu de verdade.

2- Pela expressão de Jesus através das sagradas escrituras – seja por palavras, parábolas ou passagens da sua vida – não existe uma ordenança que institua esta comemoração(natal)como prática de fé-cristã ou do culto de adoração a Deus para as Igrejas.

3- A origem deste dia “25 de Dezembro “ acarreta laços com a raiz do paganismo romano. Nenhuma ligação existe com o cristianismo, e sim, com o catolicismo e sua história (Enciclopédias Britânicas – edição de 1946) (Enciclopédia Americana – edição de 1944).

Jesus Cristo
__________

Identidade:Deus(João 1.01 a 03)

Genealogia: Espiritual(Mateus 1.01)

Família: inexistente(Hebreus 7:03)

Pai e mãe biológico: inexistente(Hebreus 7:03)

Aniversário: inexistente(Hebreus 7:03)

Morte: inexistente(Hebreus 7:03)

Existência: eterna(Hebreus 7:03)



O dia 25 de Dezembro
________________

Jesus de Nazaré, não nasceu no dia 25 de Dezembro. (Lucas 2:18) “Ora, havia naquela mesma região pastores que estavam no campo, e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho”.
Isto nunca poderia ter acontecido na Judéia no mês de dezembro. Os Pastores recolhiam os rebanhos das montanhas e dos campos e colocavam-nos no curral nos mais tardar até o dia 15 de outubro, para protegê-los do frio e da estação chuvosa que se seguia.
A Palavra de Deus fornece provas de que o inverno era uma estação chuvosa e muito fria, não permitindo que os pastores permanecessem ao ar livre nos campos durante a noite. (Cantares de Salomão 2:11) (Esdras 10:9-13)
O fato dos pastores estarem com seus rebanhos ao relento no pasto – no momento da aparição angelical – mostra que esta data era verão(setembro á outubro). Na Judéia o verão termina nos meados do final do mês de outubro. Pela lógica e ordem cronológica do tempo, o mês de dezembro é chuvoso e rigorosamente frio, impedindo até mesmo Jesus nascesse em uma manjedoura. (Enciclopédia Católica também testifica isso) (Ardam Clarke – vol. 5, pag. 370. edição de New York).
A data do nascimento de Jesus é totalmente desconhecida por todos e principalmente pelas autoridades e teólogos do assunto.
O dia 25 de Dezembro refere-se a uma data de festividade pagã (Saturnália e Brumária). Entre os dias 17 e 24 de Dezembro, celebrava-se o dia mais curto do ano e o novo sol. Nestas festividades, envolviam-se práticas como: bebedisses , orgias e rituais satânicos pelo edito das autoridades romanas da época. ( New Schaff-herzog – Enciclopédia of religious Knowledge )
Com a chegada de Constantino no Império Romano e sua conversão ao cristianismo, o mundo romano passa ser cristã, aceitando o cristianismo como religião oficial. Com a cristianização deste império as perseguições contra os cristãos se findam e surge a primeira Igreja de Constantinopla. Suas regras de fé e seus cultos eram baseados em costumes e práticas pagãs, sendo mantidos pelo imperador em um curto espaço. Mais tarde, seriam feitos ajustes importantes neste império que mudariam a história da Igreja. Uma delas foi a transferência das datas festivas e tradicionais de Roma para o cristianismo imperial e institucional do qual constituiu (Igreja Católica Ap.Romana).
Neste mesmo artigo na Enciclopédia Schaff-herzog, explica a aprovação dada por Constantino sobre o domingo: “o dia em que os pagãos adoravam o Sol”. Por influência do maniqueísmo pagão, ambos identificavam o sol com o filho de deus “físico” proporcionando á estes pagãos do século IV – agora convertidos ao cristianismo – o pretexto necessário para chamar esta festa de 25 de Dezembro (dia do nascimento do deus sol) como o dia do nascimento do filho de Deus.



A Origem do Natal
_____________

A Paganização Mundial tem sua história e sua raiz no Antigo Testamento. O pai da babilônia espiritual seria Ninrode(torre de Babel). Este indivíduo e sua história serviram de base e inspiração para seitas e religiões como a maçonaria. O eixo de formação política e religiosa em Roma, no período cesariano, foi baseado na vida e no perfil deste homem.
Ninrode – neto de Cão e filho de Noé – foi o verdadeiro fundador do sistema babilônico. Ninrode significa em hebraico “Marad” que traduzindo seria “ele se rebelou, rebelde”.
Este indivíduo era tão perverso que chegou a casar com sua própria mãe “Samíramis”. Depois da sua morte prematura, sua mãe-esposa, propagou a doutrina maligna da sobrevivência de Ninrode como um ente espiritual. Alegou que um grande pinheiro havia crescido, da noite para o dia, de um pedaço de árvore morta, do qual simbolizava o desabrochar da morte de Ninrode para uma nova vida.
Por meio destas astúcias e artimanhas imorais, Semíramis converteu-se na “Rainha do Céu” dos Babilônicos e Ninrode como “divino filho do céu”. Este homem passou a exercer o falso messias, o filho de Baal e deus sol “mãe e a criança”. Com a ajuda da Igreja Católica Ap. Romana, esta história de amor em família transformou-se na “virgem e o menino Jesus”. Esta mentira passou a ser pregada por Roma e difundiada para o mundo cristão em forma de “ presépio”.
No Egito chama-se de Isis e Osíris – Ásia (Cibele e Deois) – Roma (Júpiter – Fortuna) – Grécia,China,Japão e Tibete é conhecido por” Madona” . Tudo isso muito antes do nascimento de Jesus.
O Natal satânico de Ninrode entrou nos meados do século V. Com a popularização do cristianismo e falsa conversão de Constantino, a Igreja foi invadida com estes ensinamentos do qual reconhecemos: “ praticamos falsamente por muito tempo e fomos influenciados pelos ensinamentos apócrifos de Roma”. Os fatos e registros mostram claramente que a Igreja Primitiva nunca participou ou festejou tal data. Assim como Jesus Cristo de Nazaré também não determinou ou ornamentou tal costume entre nós!!



ÁRVORE DE NATAL
__________________

Como todos podem perceber, esta é a reencarnação de Ninrode e a verdadeira inspiração para tal prática. Quando os adoradores de Ninrode, celebravam o seu aniversário, o ritual seria levar presentes aos pés do pinheirinho enfeitado, demonstrando gratidão ao seu deus Sol. A troca de presentes nesta data representa reverência a Ninrode e o culto ao seu nome.
O profeta Jeremias confrontou tal espírito natalino e seus pastores?
JEREMIAS 10:2 Assim diz o SENHOR: Não aprendais o caminho dos gentios, nem vos espanteis dos sinais dos céus; porque com eles se atemorizam as nações. 10:3 Porque os costumes dos povos são vaidade; pois se corta do bosque um madeiro, obra das mãos do artífice, feita com machado; 10:4 Com prata e com ouro o enfeitam, com pregos e com martelos o firmam, para que não se mova.
Obs. Quando celebramos á Ceia de Natal e participamos desta confraternização mentirosa “PARTICIPAMOS DA MESA DOS DEMONIOS”:
1 CORINTIOS 10:16 – “ Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo? 10:17 Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão. 10:18 Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são porventura participantes do altar? 10:19 Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? 10:20 Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. “


PAPAI NOEL
________

Velhinho querido ou arquiteto do pecado? Este seria mais uma das criações satânicas e aberrações do paganismo pelo catolicismo Romano.
“Papai Noel seria uma corruptela de um santo venerado pelos católicos chamado São Nicolau” um bispo romano que viveu no século V. Bispo de Mira, um santo venerado pelos gregos e latinos no dia 6 de Dezembro. “Este bispo oferecia ás escondidas presentes, de dotes, as filhas de um cidadão empobrecido.” (Enciclopédia Britânica – vol. 19 – páginas 648 – 649 – 11º edição inglesa).
Mais tarde, adquiriu á custa da Coca-Cola a cor vermelha e a imagem do simpático barrigudinho e velhinho das crianças. Tudo pela desgraça e falência dos milhares de pequeninos inocentes deste mundo que o tem como melhor amigo imaginário. O substituto do próprio Jesus e do presente da salvação, vem prevalecendo á séculos com o seu saco vermelho cheio de ilusões e corrupção espiritual!




O MESTRE CHAMA: “VEM CEAR”
________________________

O Senhor Jesus instituiu a Igreja uma única celebração: A Santa Ceia.

Mateus 26:26 – “ E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. “(26:27) E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; (26:28) Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. (26:29) E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai.

Foi instituída na véspera da morte de Jesus. Houve duas ceias: a ceia da Páscoa e a Ceia do Senhor. Por 1 400 anos a Páscoa havia prenunciado a vinda do de Jesus, o cordeiro Pascoal. Jesus comeu a Páscoa, substitui-a pela própria Ceia e em seguida foi sacrificado como o Cordeiro Pascoal. Jesus morreu na cruz no mesmo dia em que os cordeiros pascoais estavam sendo imolados no Templo.

Memorial – A Páscoa já servia aos seus propósitos, e agora devia ceder lugar á “Nova Ceia” que devia ser observada em memória de Jesus até que Ele venha de novo( 1 Cor 11.23 – 26).Assim como a Páscoa mosaica lembrava o passado, quando Israel foi liberto do Egito pelo poder Deus, e também indicava o futuro – o Advento de Jesus em graça, também esse memorial lembra sua morte passada e, no futuro, sua Segunda Vinda em glória.

Reflexiva – a Santa Ceia original foi realizada de forma restrita e reservada. Somente para os discípulos “seguidores“ de Jesus Cristo(Mateus 26.20).
Esta prática representa espiritualmente á união “unanimidade” e comunhão “eucaristia” com Cristo no seu Corpo e Sangue(João 6.54;Atos 2.42;20.07; 1 Cor 10.16;11.23-16) em celebração e ritual. Uma ordenança perpétua (1 Cor 11.24).
Uma celebração reservada para aqueles que se uniram com Cristo na sua morte(pecado) e ressurreição(regeneração);(Rm 6.03-05). Quando celebrada de forma indigna e desproporcional, acarreta condenação e maldição.( 1 Cor 11:26 – 29). Por isso deve ser realizada em reflexão” examine o homem a si mesmo quando comer deste e beber deste cálice”.
Uma data especial para celebrarmos a Jesus em concordância “como discípulos” comprovando que a morte de Jesus está manifesta no corpo do pecado, para que a sua vida se manifeste, também, em nossos corpos( 2 Coríntios 4:10 ). Celebremos a Cristo Jesus “Nossa Páscoa” sem o fermento do pecado e sem a presença de infratores “apostatas da fé“(1 Cor. 5.6 – 11).

A Santa Ceia é o culto “Racional” e “Ação de Graças” de todo cristão – todos que visitados por Cristo, estão libertos do cativeiro do pecado e agora podem celebrar a Jesus Cristo como o “ Libertador” de suas vidas. A verdadeira comemoração instituída por Jesus, representadas em um só testemunho de fé: o nascimento espiritual e regenerativo de todo cristão.

Para o cristianismo apostata é mais fácil colocar uma arvore de natal no altar e ornamentar “mentiras”, do que, propagar a verdade bíblica em sua real consagração de fé. Sai barato esta festa(Natal), cujo sentimentos e objeções propagam um Jesus descontextualizado,alegórico,simbólico e materialista. Para os natalinos da cristandade, escravos de tradições humanas e fiéis ao catolicismo-romano – meus sinceros apelos e sentimentos:

O MESTRE CHAMA, VEM CEAR!!!

Fonte: HordaVerdade