quinta-feira, 30 de junho de 2011

Deus e o Estado (parte 1)

Pela primeira vez estou me pronunciando sobre isto que veio à se tornar uma nova trincheira de guerra para a igreja evangélica apóstata do Brasil. O caso é a proposta de lei PL122, da qual todos já estão cientes do que se trata, o que me poupa introduções. É tanta estupidez, que dá até desânimo de escrever sobre este assunto, porém resisto e sigo em frente pois sei que há muitos que lêem meu blog e que ele pode em muito significar para a transformação de pensamento.

Vejo que há dois lados nesta “guerra”, representados ambos por radicais com ideais revolucionários de tomada do poder: o movimento GLBTS e os evangélicos teocratas.

A primeira coisa que tenho à declarar é que estão criando uma guerra santa, uma Jihad em nome dos bons costumes, da tradição, da família... Dos valores burgueses, e não em nome dos valores do evangelho de Jesus, pois se assim fossem nem mesmo dariam atenção à isso. Deus e o Estado estão separados, mas não porque está escrito na constituição federal, e sim porque Jesus assim ensinou e agiu enquanto aqui esteve. “Dê ao presidente o que é do presidente... E à Deus o que é de Deus”. Hoje os evangélicos dão ao presidente (o Estado) o que é exclusivamente de Deus (o evangelho, as idéias de Jesus que ele chamou de “reino de Deus”). Com Jesus temos desistência absoluta de Deus de implementar um Estado teocrático, como havia na antiga aliança com o povo de Israel; ora, você nunca se perguntou? Se Jesus é o messias prometido ele não deveria ter dado continuidade ao modelo teocrático de construção de um governo humano e terrestre unido com as leis de Deus? Mas ao contrário, ensinou que o seu reino não era deste mundo! E agora? Com Jesus nos tornamos apenas forasteiros e peregrinos em terra estranha. O Brasil é uma terra estranha para mim, que não me declara, já à muito tempo como cidadão brasileiro, mas cidadão do reino de Deus (uma pátria subjetiva) E com você leitor?

Porém o discurso que está na boca dos evangélicos teocratas militantes que vemos na TV e nas ruas é justamente um discurso de tomada do poder, de anseio por aquilo que Jesus renunciou quando aqui esteve. Os evangélicos querem o que Jesus negou; isso é uma verdade. É um discurso revolucionário de tomar o poder de fato e mandar, dar as cartas do jogo e estabelecer um Estado teocrático: o sonho de todo líder religioso protestante é ter um presidente evangélico. No vídeo de retrospectiva, Silas Malafaia se gloria deste poder: “Nessas eleições a agenda dos candidatos quem ditou fomos nós, os homosexuais ficaram loucos, ficaram em segundo plano”, Veja o vídeo abaixo:

video

Estamos vendo diante de nossos olhos o renascimento do instinto teocrático da Roma pagã medieval. A sua filha, a igreja protestante agora é a detentora do seu legado, fundamentada neste sistema de falsificação do evangelho, erigido em cima da “ideologia do poder” que contaminou praticamente todas as religiões cristãs:

Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição (Apocalipse 14:6).

“... Pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição...” (Apocalipse 18:3).

Porém Deus nunca contou com a maioria, e sim a minoria; com os remanescentes.

Esta ideologia é totalmente anticristã, no sentido que entendo como sendo idéias emanadas de Jesus de Nazaré, pois do lado do cristianismo já não podemos dizer nada.

CONCLUSÃO

Jesus negou o poder desta terra, tanto por ensinos como pela sua própria vida.

(1 JO 2:6) “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou”.

CONCLAMO À TODOS OS QUE ESTA MENSAGEM ALCANÇAR À SE MANIFESTAREM CONTRA ESSA ONDA DE GUERRA CONTRA OS HOMOSEXUAIS E À QUALQUER MILITÂNCIA DE TOMAR O PODER DESTE MUNDO E DECLARÁ-LO COMO SENDO O “O REINO DE DEUS” NA TERRA.

Converse com seus familiares, amigos, irmãos em Cristo, promova grupos de debates, nas igrejas, nas pracinhas, nos shoppings. Crie blogs, ponha vídeos no youtube e combata esta onde de teocracia que começa à tomar conta da mentalidade cristã neste país nojento.

(Marcos 12: 10-17 contextualizado)

“É lícito que os homosexuais criem leis para se favorecerem? E Jesus respondendo-lhes disse: de quem é o Estado? E responderam-lhe: do homem mundano! Dai aos homens deste mundo o que é deste mundo, e à Deus o que é de Deus. Daí aos homosexuais o que é do homosexuais, e à Deus o que é de Deus”.

Ferdnand (em outras oportunidades tratarei mais especificamente das relações do discípulo de Jesus com política e com as instituições deste mundo).

O cão guloso ataca novamente: Silas Malafaia chama protestantes de babacas na Marcha para Jesus do Rio

Eu e o Paulo estávamos profundamente angustiados na semana que antecedeu o dia 4 de junho, quando houve a Marcha para Jesus no Rio de Janeiro, capitaneada pelo Pr. Silas Malafaia. Nossa angústia se devia ao fato de querermos estar lá, estendendo as faixas pela volta ao Evangelho puro e simples, porém sem recursos financeiros para tal.

Nossa oração, então, foi para que Deus levantasse um grupo que fizesse a diferença naquele lugar. E, glória a Deus, esse grupo estava lá!

Hoje recebemos os vídeos abaixo, de um grupo de apenas 6 pessoas que se levantaram contra a teologia mamônica da prosperidade, amplamente pregada pelo Malafaia e cia. Esses 6 guerreiros abriram uma faixa simples, com a inscrição “Voltemos ao Evangelho puro e simples, o $how tem que parar”, seguido do versículo bíblico “ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas”. Ou seja, nada de ofensivo a quem segue a Cristo, ao contrário, frases de exaltação à sã doutrina.

Porém, esse versículo foi tão terrível para alguns que quem os ostentava foi chamado de satanás pelos populares, e de babacas pelo próprio Silas Malafaia (que fingiu ignorar o movimento, como os Hernandes já fizeram em marchas passadas, porém demonstrou estar bem contrariado). Talvez devessem ter estendido a faixa da “unção dos 900 reais” ou do “clube de um milhão de almas por mil reais cada”, mais ao gosto malafaiano.

Fonte: Estrangeira no mundo

EUA próximo de novo Colapso Financeiro que afetará o Mundo


quarta-feira, 22 de junho de 2011

O SHOW NÃO PODE PARAR

Luz, câmera... ação!”, cama ai, o que seria isso? Cenas da gravação do filme Tropa de elite 3? Quem dera que fosse, seria muito mais honesto admitir que todo o aparato de tietagem e imprensa mobilizado para acompanhar um carro blindado da marinha é para a gravação de um filme que vai para os cinemas.

Contudo não é pertencente à nenhum filme a foto que você vê acima, mas sim de mais uma apresentação pirotécnica para a implantação dos projetos de mini-campos de concentração e controle dos pobres, vulgarmente chamados de UPPs. O set de filmagem da vez é a mangueira, invadida pelas tropas do Estado no domingo, dia 19 de Junho.

Lembro que em entrevista ao programa 3 contra 1 da TV Brasil, o deputado Marcelo Freixo afirmou que não há ninguém que mais se utilize da mídia como instrumento de ideológico do que o governador do Rio, Sério Cabral. Pois é à partir da mídia que o governo controla o seu gado.

Entretanto, é interessante e alarmante notar o culto à violência de Estado, que se espalhou pelo Brasil mas em especial no rio de janeiro. A cultura militar está em um processo avançado de implantação do consciente dos zumbis que ficam prostrados em frente de uma televisão. Esta foto, por exemplo, me parece em especial com duas coisas: a primeira com um culto à nossa senhora de aparecida:

E a segunda é de um carro alegórico de abre alas no carnaval:

Pura coincidência? Mas a ideologia que está por trás desses dois eventos é a mesma que está na cultura militar do Brasil: veneração. No caso da cultura militar; veneração da violência como “benção divina”, estabelecendo subliminarmente a noção de Estado teocrático ainda que nenhum político admita isso, veneração das armas, que é a mesma veneração que há entre os traficantes de facções, que se exultam em exibir um fuzil AK47, pois um soldado do BOPE e da polícia também possuem esta mesma veneração.

No caso das UPPs, fica evidente o caráter ideológico que possui uma cobertura midiática como a dada em invasões do Estado para implantação de UPPs. Existe uma relação muito estreita entre a agenda de um Estado totalitário e militar que o Rio de janeiro tem adotado em decorrência dos grande eventos que serão sediados aqui e as grandes corporações de mídia, que vivem unicamente de lucro, dos lucros proporcionados pelo Ibope. Ora, o que dá mais Ibope nos dias de hoje? Um debate reflexivo sobre política, filosofia e educação ou cenas de guerra urbana?

A televisão brasileira se transformou abertamente em um instrumento de exaltação da do militarismo. É realmente insuportável assistir qualquer programa nas tardes, pois a única coisa que se vê são apresentadores reptilianos exaltando as armas e envenenando os espectadores com ódio, desejo de ver um derramamento de sangue e glorificação da morte. Embora nem imaginem que estão sendo manipulados e condicionados à serem validadores da tirania e da psicologia de um Estado que se considera divino, inquestionável, e dentro de pouco tempo revelará a sua verdadeira face à todos, assim como já o tem feito aos moradores de favelas com UPPs; eles sabem melhor do que ninguém o que é viver num ambiente controlado, com a militarização da vida cotidiana, aonde tudo está sendo vigiado pelo Estado, desde “atitudes suspeitas” à manifestações culturais, tudo está sendo controlado. Não existe liberdade, muito menos liberdade política, de se opor contra esse regime. Principalmente porque eles sabem que o morador da favela é medroso, nunca iria querer encarar a polícia pois eles estão ali 24 horas por dia... Podem fazer o quiser com quem “se rebelar”. No entanto, só existe tirania porque há apoio à tirania, e o apoio nasce da grande massa alienada que acredita nas promessas de paz imediata e na melhoria da estética da favela (não vai ter mais homens armados vendendo drogas...) mas tem homens armados olhando e vigiando tudo o que você faz, porém quem se importa? Já se acostumaram à venerar o controle da vida privada assistindo Big brother todos os dias.

O que você tem de mais precioso é a sua consciência! Não entregue ela à eles. Não comungue, não participe, não dê seu apoio ao que é contrário ao evangelho e à vida humana.

Ferdnand.