domingo, 2 de novembro de 2014

Boicote á cultura policial VII – A educação infantil (Parte 2): educar para a submissão

Polícia impõe disciplina militar em escolas públicas de Goiás


“Um grupo de adolescentes se perfila em formação militar, enquanto uma soldado armada os passa em revista. Nenhum deles masca chicletes. As garotas não usam batons ou esmaltes chamativos. Nas conversas não se toleram gírias. Todos são obrigados a cantar o Hino Nacional na chegada, a caminhar marchando e a bater continência diante do diretor. Não estamos num quartel, mas num dos dez colégios da rede estadual de Goiás cuja administração começou a ser transferida para a Polícia Militar desde janeiro, numa medida desenhada para amainar os repetidos casos de violência ocorridos numa região desassistida a apenas 40 quilômetros do Distrito Federal.”  (Notícia – Veja.abril.com.br)


Lavagem cerebral na fabricação de animais de rebanho. A criação de um nova juventude Hittlerista como em 1934. Educação para robôs, criando seres humanos estúpidos, sem pensamento próprio, IDIOTAS ÚTEIS para o Estado; educando para violência (Estatal).
Peito estufado, cantando hino nacional, alienados de qualquer compreensão profunda da vida. É pra isso que serve essa tal “disciplina”, “retidão”: para endurecer as pessoas e doutriná-las, domesticá-las como animais de rebanho.

Estão construindo o soldado perfeito para a Nova Ordem Mundial, domesticando desde pequeno ao embrutecimento da consciência, IDIOTAS ÚTEIS que serão usados pelo Estado como ele bem quiser. Qual a diferença entre a doutrinação Marxista/Comunista para a doutrinação militar conservadora? NENHUMA, apenas os conteúdos se diferem, porém produzem o mesmo estrago na mente e no espírito. Ambas trabalham para o controle do espírito e embrutecimento da alma.
Esse “sistema educacional” não é novidade brasileira, ele já existe em lugares pouco evoluídos político, econômico e espiritualmente. Na China comunista, na sua irmã Coréia do Norte, em Cuba e claro, o caso mais emblemático e mais antigo é na Alemanha Nazista. Há muito se fala da juventude Hittlerista e da pedagogia militar à que os jovens alemãs eram submetidos para se transformarem nos melhores Arianos que pátria precisa:
 
No Brasil o grande diferencial que toda esta educação militar nos vem não pelo Nacional Socialismo (Nazismo) ou pelo Internacional Socialismo (Comunismo) mas pelo viés do Positivismo. Para aqueles que não sabem, o positivismo é o irmão mais novo do Nacional socialismo, é um coletivismo conservador e a ideologia que mais moldou a república federativa do Brasil; todas as forças armadas brasileiras são positivistas. É de origem positivista o lema ordem e progresso, inscrito na bandeira nacional. Originalmente o o lema positivista era Amor, ordem e progresso, porém na confecção resumiu-se retirando o “amor”.

Pais e professores aplaudem a educação militar

Tenho penas desses pobres coitados, ainda crianças e adolescentes que não possuem, nem de perto, a noção do que lhes está sendo imputado pela via pedagógica; não tem noção da lavagem cerebral de que estão sendo alvo. Não entendem perfeitamente do que se trata aquilo que aprendem na escola; todavia olham à sua volta e vêm à volta sorrindo, elogiando e falando bem concluem que só pode tratar-se de alguma coisa boa e correta, até porque, como crianças e ingênuos que são confiam muito nos adultos; eles tem aquela confiança à priori de que quando os adultos falam bem de algo é porque esse “algo” é uma coisa boa.
Lógico que os pais, em sua grande maioria com pouca instrução ou talvez semi-analfabetos estão adorando ter os filhos transformados em máquinas, robustas, bem lubrificadas, obedientes, mansos e muito eficientes. Os pais agora não terão tanto trabalho para cuidar de seus filhos, pois estes estão sendo domesticados por militares na escola. A “vagabundagem paterna e materna” tem agora mais motivos para se esquivar de educar os filhos…
Se outrora reclama-se que os pais se esquivavam do trabalho de cuidar de seus filhos doando essa atividade à creche, depois à Televisão, mais recentemente à internet; temos então agora uma nova modalidade da vagabundagem paterna e materna, ceder o poder natural de educação da família para o Estado-militar. Não é mais o Estado propriamente dito, representado na pessoa do professor ou da direção escolar, agora é o aparato repressor do Estado que está entrando em contato direto com as crianças e se dedicando à área educacional.
Aqui o termo “vagabundagem” não se refere à delinquência, mas ao preguiçoso, displicente; aquele que não quer trabalhar. Pai e mãe vagabundos à quem me refiro são estes que doam seu poder de educar, proteger e ensinar os filhos à outros; neste caso à militares, doentes mentais obcecados por “obediência”, submissão e “disciplina”.
Com essa trindade (obediência, submissão e disciplina) se constrói apenas máquinas. Máquinas programáveis, ás quais você pode inserir a programação que quiser. E em um contexto de instauração de uma Nova Ordem Mundial o que você acha que será inserido no consciente dessas máquinas humanas? Toda a ideologia, que em si mesma é anti-Cristo, pois vai contra toda a psicologia que Jesus ensinou; vai contra o “amar o proxímo como à si mesmo”, pois ama-se apenas aquele que merece ser amado. Mas a principal psicologia de Cristo errubada com essa educação militar inserida nas máquinas humanas é a da multilateralidade de relações, aonde o o indivíduo ama a defende apenas os seus, os compatriotas, é basicamente expressado pela fórmula:

Ama o teu amigo e odeia o teu inimigo

Jesus foi contra essa fórmula ética de viver a vida, claramente o fundamento do homem primitivo do antigo testamento doutrinado por Jeová, o Senhor dos exércitos, um militar, um general. Jesus substituiu a regra de Jeová pela sua:

Ama o teu inimigo

Essas crianças e adolescentes de Goiás estão agora sendo adestrados como animais de rebanho à absorverem a ética de Jeová, de submissão, de subserviência e repressão interna de seus sentimentos e pensamentos (a tal “disciplina”) que no futuro será usada pela Nova Ordem Mundial, pois estes que hoje são crianças no futuro serão os soldados repressores que eliminarão, sem medo ou receio qualquer considerado inimigo do Estado ou inimigos do sistema. Eles estão sendo ensinados à serem inimigos de Cristo, à estarem do lado errado na separação do Joio do trigo.

Jesus em sua época foi considerado um inimigo público, denunciado pelas autoridades religiosas de Israel às autoridades políticas romanas, foi sentenciado como delinquente, como agitador social, alguém que estava incitando as massas à uma rebelião (primeiramente contra as autoridades religiosas, mas depois todos temiam que também fosse uma rebelião contra Roma à fim de libertar os judeus do domínio romano). Jesus era um judeu marginal, não-alinhado ao sistema social; aquele que essas crianças estão aprendendo à odiar. Ele andava na companhia de publicanos, pecadores e prostitutas (maconheiros e depravados; aqueles que “curtem a vida” nos dias de hoje), por isso era muito mal visto pelos conservadores (policiais militares, “trabalhadores homens de bem” e religiosos em geral dos dias de hoje), era ainda apelidado de comilão e beberrão por gostar de comer e beber com aqueles mal vistos socialmente. Jesus era um escândalo social, mas as pessoas humildes gostavam dele porque ele fazia milagres e ensinava coisas que tocavam os corações deles. Eles viam algo de divino na presença do filho de Maria, o carpinteiro de Nazaré.

A educação militar programa o cérebro à odiar pessoas como Jesus de Nazaré, e à desejar o tipo inverso.

Assista o filme “A onda” e veja como a doutrinação é poderosa dentro de uma escola:

Um comentário:

  1. Gabriel: Ser Herói É Um Saco, Acredite É Um Saco E Além De Ser Um Saco Ainda Por Cima É Lixo.

    ResponderExcluir